sexta-feira, 3 de outubro de 2014

Yes, we can


 

     Sim, é possível acreditar na literatura. Acreditar que, tal como todos os processos criativos, ela constitui um lugar de construção do mundo como coisa humana. Se não existe mundo tal como ele é, mas somente como coisa perspectivada a partir de linguagens e de gramáticas, a arte não é o espaço de transcrição do mundo. É o lugar da sua realização como experiência.
     Embora tão contingente quanto qualquer linguagem, é possível acreditar que a literatura potencia o olhar interior sobre as coisas e a experiência. É raro que aconteça, normalmente é apenas mais uma peça na banalidade das construções. Mas, quando ocorre, a escrita (ou o que quer que lhe chamemos) questiona, perverte, transfigura, subverte, discute, adultera, redime, resgata, condena, subtrai, acrescenta. Talvez em si mesma seja prescindível, mas, apesar de tudo e com todas as dúvidas, é possível acreditar. Acreditar, no mínimo, no próprio objecto da dúvida.