sábado, 27 de dezembro de 2014

Os melhores do ano




Nenhum.



(No mais, as escolhas fazem-se sempre no interior de um número inevitavelmente escasso de leituras.  A que percentagem dos lidos corresponde uma lista individual dos vinte melhores? E essa, a que percentagem dos não lidos, dos recusados, dos ignorados? Ao nível da crítica, o silêncio é uma forma de avaliação. Designar dez, ou vinte, ou trinta é menos uma questão de critério do que a projecção dos limites individuais de cada leitor, a ostentação do peso e do tamanho do esquecimento.)